segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O fetiche do CUCKOLD - Uma fantasia a 3 (Parte 1)

Muita gente ainda não conhece o termo CUCKOLD. Outros têm essa fantasia em segredo consigo mesmo, e nem sabem que isso é um fetiche de muitos homens e mulheres.
Saiba mais sobre isso, descubra qual a sua personagem nessa fantasia a três, liberte-se de suas amarras e curta o prazer de ter um super tesão!

O termo CUCKOLD vem do inglês cuckoo, que é uma referência ao pássaro cuco, a mesma ave que inspirou o relógio cuco, pois o macho dessa espécie abriga em seu ninho uma fêmea promíscua.
Então, a partir de hoje quando você ver um relógio cuco, lembre que é a fêmea de hora em hora saindo fora do ninho para chamar os machos - "Cucooo!". Machos, maridos e fêmeas curtindo junto o prazer do seu cio, rsss.

Curiosidades etimógicas da palavra à parte, a verdade é que a cornitude, ou melhor dizendo, a virtude de ser corno é um fetiche sexual como qualquer outro fetiche. Neste caso, o cuckold tem um tesão elevado a altos níveis cada vez que sabe ou vê que sua mulher esteve ou está fudendo com outros machos.

O cuckold se diferencia do voyeur típico, porque o voyeur tem seu tesão elevado quando ele vê qualquer pessoa fazendo sexo. Já o cuckold, não é qualquer pessoa que ele quer ver;o seu tesão é em ver sua namorada ou esposa sendo comida e tendo prazer com outro. A sua mulher sentindo prazer sexual é o seu objeto de fetiche, a mulher do cuckold é a sua fêmea-rainha, é a sua fonte de prazer.

É um fetiche delicioso que envolve, além do corno,  outros dois personagens: a esposa ou namorada infiel e o varão comedor da mulher do outro. Sem um desses três personagens essa fantasia não se completa.

É muito raro de se encontrar uma mulher cuckold, mas há. Porém, esse fetiche é muito comum nos homens. É grande o número de homens que sente um imenso tesão só em imaginar sua mulher sendo comida por outro; acontece que a maioria desses homens costuma esconder esse desejo a sete-chaves (cornos-burros), outros chegam até reprimí-lo com certa violência e acabam até batendo nas esposas, quando em realidade querem esconder de si mesmos que tiveram tesão diante da hipótese de uma traição (cornos-enrustidos). Em verdade, esses homens não conseguem romper com os ditames sócio-culturais com que foram criados e acabam não conseguindo lidar bem com seus desejos secretos.

Os cuckolds costumam me dizer: é muito mais fácil um gay assumir em sociedade sua preferência homossexual do que um cuckold assumir perante amigos e família que gosta de ser corneado. A traição é tão antiga quanto a espécie humana, porém, vivemos numa sociedade hipócrita, com a hipocrisia tão antiga e cristalizada quanto a idade da espécie humana.

Entretanto, em algumas culturas a prática cuckold é tida como normal. Os esquimós, por exemplo, têm por costume oferecer sua esposa para transar com o viajante que se hospeda em seu iglu. Infelizmente na nossa cultura ocidental-cristã uma mulher infiel leva a pecha de prostituta e o corno, quando manso, é mais apedrejado que a adúltera. Pura hipocrisia social!

Que tal, romper os com os padrões sociais e assumir a faceta de um desses três personagens: que você gosta mesmo de ver sua mulher com outro macho; ou que você adora dar para outros homens; ou que você delira cada vez que come a mulher do outro na frente dele!??!!
A vida é simples! Precisamos descomplicar a vida, nos libertarmos de preconceitos, e bucarmos a realização de nossos desejos! É possível ser feliz. É bem simples assim: é só saber dizer "sim", é só saber dizer "não".


Voltarei em outros posts a falar mais sobre o perfil de cada um dos 3 personagens que envolve a fantasia dos cuckolds. E você verá em qual desses três perfis você e sua fantasia se encaixam melhor. Acompanhem o blog e aguardem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do blog

Envie suas fantasias, suas histórias, dúvidas, sugestões e pedidos de aconselhamento. E acompanhe minhas dicas neste blog.
E-mail: domadoradecorno@gmail.com